Prêmio David de Azambuja do Mérito Florestal (12/07/2019)

O prêmio David de Azambuja do Mérito Florestal tem por objetivo de expressar o reconhecimento a engenheiros e engenheiras florestais, instituições de ensino, empresas públicas e privadas e entidades de classe que congregam profissionais da área de engenharia florestal que tenham se destacado por suas ações, trabalhos, estudos e projetos na área da Engenharia Florestal, que permite a identificação de valores morais e éticos que contribuem com a melhoria da qualidade de vida e das organizações em prol do desenvolvimento florestal e da preservação do patrimônio natural brasileiro.

A premiação ocorrerá no dia 12 de julho de 2019 (Dia do Engenheiro Florestal) e as indicações encerraram dia 16 de maio de 2019 (quinta-feira). Após dia 10 de junho apresentaremos o nome dos agraciados.

Para informações – Câmara de Engenharia Florestal: (21) 2179 2800.

O Prêmio

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia – Crea-RJ, no uso das atribuições que lhe confere a alínea “k” do art. 34 da Lei n° 5.194, de 24 de dezembro de 1966, e em cumprimento ao que estabelecidas no inciso XXXIII, do art. 9° do seu Regimento, institui o Prêmio David Azambuja do Mérito Florestal, mediante a Decisão PL/RJ n° 3.121, de 5 de outubro de 2009.

Considerando que a denominação do prêmio deu-se para homenagear a memória do profissional David de Azambuja, justificando-se que foi considerando um dos pais da Engenharia Florestal do Brasil, que nasceu no Rio de Janeiro, em 14 de setembro de 1917, graduou-se pela Escola Nacional de Agronomia em 1949, onde também, obteve o título de“agrônomo silvicultor”, profissão precursora da Engenharia Florestal, em 1947.

Como assessor permanente da Comissão de Defesa dos Recursos Naturais da Câmara Federal, no período de 1954 a 1956, foi um dos inspiradores da Campanha Nacional da Educação Florestal e um dos responsáveis pela elaboração do Código Florestal Brasileiro. Como diretor-geral do Serviço Florestal Federal, no período de proteção, pequisa, produção e ensino florestal do país. É também reconhecido como um incansável defensor do patrimônio natural brasileiro e um dos pioneiros no estabelecimento de unidades de conservação da natureza do país. Nos quatro anos em que esteve à frente do Serviço Florestal Federal foi responsável pela criação dos parques nacionais Ubajara, no Ceará, e Araguaia, no Tocantins, neste caso tornando real o sonho de 83 anos do Engenheiro André Rebouças, além de ter deixado prontas as propostas para a criação de outros quatro parques nacionais, o de Sete Cidades, no Piauí, de Montem Pascoal, na Bahia, de Caparoá, na divisa de Minas Gerais com o Espírito Santo, e São Joaquim, em Santa Catarina, criados em 1961. Foi também responsável ainda pelo desenvolvimento do conceito de Florestas Nacionais e implantação de diversas estações experimentais florestais;

Considerando ainda que o profissional David de Azambuja, é autor de livros e inúmeros artigos científicos, além de patrono da Cadeira 5 da Academia Evangélica Brasileira de Letras, e como botânico e sistemata, especialista na família Apocynaceae, foi responsável pela descrição de três novas espécies para a ciência e dez espécies novas para o Brasil. Foi responsável pela criação da primeira escola de florestas do Brasil, responsável pelos cursos de botânica sistemática no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, em 1944, de dendrologia, anatomia da madeira e política e legislação florestal no Instituto de Florestas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, UFRRJ/IF, de 1967 até o final do ano de 1980, quando se aposentou. Faleceu em 01 de março de 2008, no Rio de Janeiro, após 90 anos devida e 67 anos de dedicação às florestas brasileiras.

O Crea-RJ concederá ao(s) homenageado(s) premiação(ões) e diploma(s) assinados pelo Presidente e Coordenador da Câmara Especializada de Engenharia Florestal do Crea-RJ.

O prêmio é concedido anualmente.

Regulamento

Clique aqui para acessar o regulamento.

Objetivo

O prêmio David de Azambuja do Mérito Florestal tem por objetivo de expressar o reconhecimento a engenheiros e engenheiras florestais, instituições de ensino, empresas públicas e privadas e entidades de classe que congregam profissionais da área de engenharia florestal que tenham se destacado por suas ações, trabalhos, estudos e projetos na área da Engenharia Florestal, que permite a identificação de valores morais e éticos que contribuem com a melhoria da qualidade de vida e das organizações em prol do desenvolvimento florestal e da preservação do patrimônio natural brasileiro.

Indicação

  • A indicação de nome para concorrer à premiação poderá ser realizada por pessoa física, instituição de ensino e entidade de classe.
  • A indicação de nome de profissional engenheiro e engenharia florestal, de instituição de ensino, empresas públicas e privadas e entidade de classe, para concorrer à premiação poderá ser efetivada mediante o preenchimento completo de ficha de indicação.
  • Será permitida indicação post mortem.
  • É vedada a concessão do Prêmio David de Azambuja do Mérito Florestal, a conselheiro federal, conselheiro regional, inspetor, durante o desempenho dos respectivos mandatos, e empregado do Confea e Crea.
  • Os profissionais jurisdicionados pelo Sistema Confea/Crea, para fazerem jus à homenagem, não poderão ter sido penalizados por infração ao Código de Ética Profissional, nos últimos 5 (cinco) anos contados a partir da indicação, não responderem por processos em andamento no Conselho, não possuírem débitos para com o Crea, além de estarem quites com suas anuidades, no momento da indicação formalizada.

Prazo e Ficha de Indicação

As inscrições foram encerradas dia 16 de maio de 2019 (quinta-feira)

Critérios de Julgamento

O principal critério para julgamento será o reconhecimento esforço e a obtenção de resultados objetivos nas áreas de desenvolvimento florestal, conservação da natureza e aprimoramento da Engenharia Florestal.

A premiação será decidida, por maioria simples, pela comissão de julgamento especialmente constituída para esse fim.

Serão agraciados com o Prêmio David de Azambuja do Mérito Florestal 1 (uma) pessoa física, 1 (uma) pessoa jurídica e 2 (dois) post mortem.

São vedadas a dupla premiação, seja para pessoa física, pessoa jurídica ou post mortem.

O premiado receberá pessoalmente o diploma assinado pelo Presidente e Coordenador da Câmara Especializada de Engenharia Florestal, salvo os premiados na condição de post mortem, que serão representados por familiares.

O homenageado que não receber o prêmio no prazo de 1 (um) ano será considerado declinante da homenagem, sendo a mesma cancelada e o fato registrado.

Comunicação

A comunicação da premiação ao agraciado e/ou a(s) família(s), quando for post mortem, será(ão) realizada(s) através de comunicação oficial assinada pelo presidente do Crea-RJ, com o convite para a participação da solenidade de premiação.

Fotos